Ir direto para menu de acessibilidade.

Novamente, o preço de hortifruti recua e afeta negativamente a renda do produtor rural no sul de Minas

Publicado: Quarta, 07 Agosto 2013 13:39

O Departamento de Administração e Economia da Universidade Federal de Lavras (DAE/UFLA) em seu trabalho mensal de coleta e divulgação do Índice de Preços Recebidos (IPR), referente a venda dos produtos agrícolas e o Índice de Preços Pagos (IPP), referente aos insumos gastos pelos produtores rurais, na região Sul de Minas Gerais, teve como resultado do mês de julho de 2013 o IPP em queda de -0,10% e o IPR em baixa de -0,69%.

No acumulado de 2013 (Janeiro de 2013 a Julho de 2013), a renda agrícola apresenta-se em queda de -3,26%. Para o grupo das hortaliças o acumulado geral para o ano de 2013 foi de 18,34% sendo que este esta em queda desde maio e para o grupo do leite o acumulado atingiu alta de 4,60% sendo esses os dois grupos que mantem elevando a renda do produtor rural desde o início do ano.

Em relação ao mês de julho de 2013 observou-se uma queda no preço no grupo das hortaliças e grãos, sendo que o grupo das hortaliças teve destaque com a queda maior sendo ela de -12,25% puxado principalmente pela baixa no preço do tomate em -48,39%, da couve em -17,86% e da cebola em -13,51%. Para o professor Renato Fontes, coordenador da pesquisa, a queda no preço do tomate teve como fato gerador o acréscimo de oferta do mesmo no mercado, que já era esperada, uma vez que estamos entrando no período de colheita da safra de inverno e que este ano não apresentou problemas fitossanitários e nem climáticos, outro fator que contribuiu para o aumento da oferta foram os preços elevados do tomate nos meses anteriores, o que estimulou os produtores a investir em novas áreas de produção e melhorar os tratos culturais da atividade.

Contudo o grupo das hortaliças não obteve uma queda maior pois alguns produtos obtiveram alta nos preços, como no caso o pepino que obteve aumento de 32,14%, o pimentão com alta de 31,69% e o brócolis em 26,67%, para o professor Renato Fontes, este fato pode ser explicado pela dificuldade de logística no escoamento da produção, principalmente pelas paralisações das rodovias, no qual estes produtos que não chegaram ao consumidor final, acarretando falta de produto (redução da oferta), gerando um aumento pontual dos preços dessas hortaliças.

Já no grupo dos grãos a baixa no preço ocorreu principalmente pela redução no preço do arroz e do milho, sendo seus valores -3,31% e -4,69% respectivamente. Em alta o grupo do leite e do café foram os grupos que evitaram uma queda ainda maior da renda do produtor no comparativo ao mês de junho. O leite que já vem se mantendo em alta desde o inicio do ano obteve elevação de 1,19% enquanto o café depois de longo período de quedas no preço esboçou uma melhora, sendo ela uma elevação no comparativo a junho de 2013 de 1,73%. Segundo o professor Renato Fontes, o aumento do preço do leite a primeira vista parece contraditório com a teoria econômica, pois a produção do mesmo em julho aumentou, sendo assim com o aumento da oferta os preços deveriam diminuir. Porém o que vem acontecendo com o setor lácteo é um descompasso entre a oferta e demanda por produtos lácteos no mercado internacional o que reflete na precificação desta commodity. O IPP se manteve estável, não tendo oscilações significativas, fato normal para esta época do ano devido a espera do inicio dos plantios.

Universidade Federal de Lavras •

Departamento de Administração e Economia •

DAE / UFLA • Caixa Postal 3037 • CEP 37200-000 • Lavras MG

Telefone: (35) 3829-1441 • Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.