Ir direto para menu de acessibilidade.

Renda agrícola volta a ficar negativa no ano de 2013

Publicado: Quarta, 12 Junho 2013 09:39

 

O Departamento de Administração e Economia da Universidade Federal de Lavras (DAE/UFLA) em seu trabalho mensal de coleta e divulgação do Índice de Preços Recebidos (IPR), referente a venda dos produtos agrícolas e o Índice de Preços Pagos (IPP), referente aos insumos gastos pelos produtores rurais, no Sul de Minas Gerais, teve como resultado do mês de maio de 2013 o IPP estável em relação ao mês de abril, enquanto o IPR apresentou queda de -2,10%. Essa queda mensal foi ocasionada devido a retração de preços do grupo de hortifruti e do preço do café no ano de 2013.

No acumulado deste ano a renda agrícola apresenta-se em queda de -1,59% marcado principalmente pelo desempenho negativo do grupo do café em -16,48% e dos grãos em -4,14%. Outro grupo que começa a esboçar queda para a renda dos produtores, o grupo das hortaliças, no comparativo com o mês de abril apresentou queda de -1,05%, entretanto este grupo no acumulado geral de 2013 ainda apresenta uma alta de 41,61% o que garante uma renda positiva para os produtores desse grupo.

Para o coordenador da pesquisa, Prof. Renato Fontes, essa queda no preço do café que acontece desde o ano de 2012, vem se dando devido a alta produção da commodity, ocasionada pelo elevado preço que o produto obteve em anos anteriores, o que possibilitou aos cafeicultores melhorar os tratos culturais na lavoura e estimular o aumento da área plantada, o que gera nos ciclos futuros da atividade uma maior oferta do grão a ser disponibilizada no mercado e como a lei de mercado, ou seja oferta e demanda se faz presente no mercado agropecuário para determinar o preço, um excesso de oferta pressiona os preços, além do fato de que a safra de 2012/2013 já começa a ser colhida e esta próxima de entrar no mercado.

Ainda em relação a renda dos produtores do Sul de Minas, o grupo do leite se destacou por continuar em alta tanto no comparativo ao mês anterior, obtendo acréscimo de 1,83% no seu preço; quanto ao acumulado de 2013 no qual mantém elevação total de 2,81%. Essa alta no preço do leite vem se dando principalmente pela baixa oferta de leite ocasionado pela piora das pastagens no sudeste neste período, ocasionando menor produção de leite o que leva a uma maior concorrência entre os laticínios pelo o leite, promovendo assim elevação no preço.

 

Renato Elias Fontes
Professor DAE/UFLA

Universidade Federal de Lavras •

Departamento de Administração e Economia •

DAE / UFLA • Caixa Postal 3037 • CEP 37200-000 • Lavras MG

Telefone: (35) 3829-1441 • Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.