pasar examen de drogas cialis Remedios hongos

Notícias

Renda Média Agrícola apresenta expressiva queda no 1º semestre de 2017 na região Sul de Minas Gerais

O Departamento de Administração e Economia da Universidade Federal de Lavras (DAE/UFLA), em seu trabalho de coleta e divulgação do Índice de Preços Recebidos (IPR), referente a venda dos produtos agrícolas no Sul de Minas Gerais, teve como resultado para o primeiro semestre do ano de 2017 uma retração média da renda dos produtores da região na ordem de -19,73%, refletindo na diminuição dos preços das principais commodities agropecuárias produzidas na região.

Ao contrário do ano de 2016 no qual o IPR foi positivo, neste primeiro semestre de 2017 a retração foi negativa, pois somente os grupos das frutas e verduras não sofreram queda de seus preços, todos os outros grupos dos produtos agrícolas pesquisados apresentaram retração nos seus preços, destacando-se o grupo dos grãos com retração de -27,76%, o café com – 12,87%.

Conforme o coordenador do trabalho professor Renato Fontes, DAE/UFLA, este movimento dos preços representa a característica principal dos mercados agrícolas em termos de sua concentração, por se tratar de um mercado em concorrência perfeita os preços satisfatório em períodos anteriores traz como consequência o incremento do investimento nestas atividades como também novas áreas de produção são dedicadas a estas atividades produtivas o que provoca o aumento da oferta destes produtos, com isto pressionando os preços para patamares inferiores, porém a queda foi muito expressiva, refletindo também as questões macro econômica que a população brasileira vem enfrentando como inflação, desemprego, queda do poder de compra, o que impacta negativamente no consumo dos produtos agrícolas.

O café, a principal cultura agrícola explorada no sul de Minas Gerais teve sua saca de 60Kg no inicio do ano cotada em média ao preço de R$ 505,00, no mês de junho do presente ano foi cotado em R$ 440,00, uma queda nominal de R$ 65,00, a saca de milho que no ano de 2016, alcançou patamares recorde de preço, iniciou o ano em R$ 38,80, sendo contada em junho ao preço de R$ 22,00, queda de mais de -42% de seu valor. O leite apresentou uma redução média de preço na ordem de -6,38%.

Como destaque positivo de elevação preço está o brócolis, com alta no semestre de 84,21%, do pimentão com 82,35% e da cenoura com 53,34%, resultado de uma menor oferta destes produtos que apresentavam preços menores, que desestimulou a produção, porém com o clima mais frio é uma tendência que as commodities classificadas como hortifruti venham ter uma queda nos seus preços nos próximos meses por causa do menor consumo.

Renda Média Agrícola cresce em 2016

Renda Média Agrícola cresce em 2016

 

O Departamento de Administração e Economia da Universidade Federal de Lavras (DAE/UFLA) em seu trabalho de coleta e divulgação do Índice de Preços Recebidos (IPR), referente a venda dos produtos agrícolas no Sul de Minas Gerais, teve como resultado para o ano de 2016 uma elevação média de 12,83% no ano, destacado os grupos grãos e frutas.

No ano de 2016 o IPR foi positivo na média para os produtores, porém alguns grupos pesquisados apresentaram decréscimo de preço durante o ao agrícola de 2016. Conforme o professor Renato Fontes, DAE/UFLA, coordenador do índice, apesar do aumento médio geral da renda do produtor, pode-se considerar, entretanto alguns grupos pesquisados apresentaram resultados anuais não satisfatórios, caso dos produtores específicos de carnes e verduras, em que, o produtor perdeu renda efetivamente, na exploração única destas atividades.

Como exemplo o preço da carne de suínos, no mês de janeiro o preço médio Kg de suíno estava em R$ 18,90 oscilou negativamente e em dezembro o preço médio foi de R$ 14,17. O tomate é outro produto agrícola que apresentou uma expressiva queda de aproximadamente 35% no ano, fechando com preço em R$ 3,33 o Kg. Ressalta o Prof. Renato Fontes, que o mercado das commodities agrícolas, pelas suas características intrínsecas, é extremamente volátil, variam em decorrência do clima, de fatores externos e por causa da renda dos consumidores, sendo que cada produto tem uma dinâmica na sua precificação.

Imagem relacionada

            O café, a principal cultura agrícola explorada no sul de Minas Gerais, apresentou uma elevação anual de preço de 4,12%, com preços médio da saca em R$ 505,00, porém no decorrer do ano de 2016 o café alcançou preços históricos em torno de R$ 570,00 a saca. O fato se deve ao mercado cafeeiro ser extremamente volátil, apresentado especulação internacional afetando a precificação desta commodity.

            E o grande destaque no ano é a elevação dos preços dos itens pesquisados no grupo dos grãos, milho, feijão e arroz, em media o grupo elevou em 61,35%. O arroz teve seu preço majorado em 26%, o feijão em 79% e o milho em 48%. Estes produtos alcançaram preços históricos, mas reduziram o valor no passar do ano, fato normal na produção agrícola, pois este aumento ocorreu principalmente, por preços não compensadores em safra passadas, que desestimulou os produtores a manterem e aumentarem a área plantada destas culturas e condições climáticas desfavoráveis nas principais regiões produtoras afetaram prejudicialmente a oferta destes produtos, o que reflete economicamente em elevação dos preços explica o prof. Renato Fontes, porém com preços atrativos a produção destes grãos é estimulada, favorecendo o aumento da produção e consequente diminuição dos preços durante o período analisado.

 

Renato Elias Fontes

Resultado da eleição para chefia do DAE/UFLa

 

Na última quarta-feira, dia 11 de maio de 2016, aconteceu  a Assembleia Departamental Extraordinária para eleição da nova chefia do Departamento de Administração e Economia da Universidade Federal de Lavras para o quadriênio 2016-2020.

Dos 54 membros da Assembleia com direito a voto, 50 compareceram à sessão extraordinária.

O resultado final do processo eleitoral contabilizou 26 votos para a chapa única, composta pelos professores Renato Elias Fontes (candidato a chefe) e Antônio Carlos dos Santos (candidato a subchefe) e 24 votos contrários (sendo 7 votos em branco e 17 nulos).

O Magnífico Reitor José Roberto Soares Scolforo dará posse a nova Chefia eleita em data a ser divulgada pela Assessoria de Comunicação da UFLA, o que deverá acontecer nos próximos dias.

No ano de 2015, renda média agrícola cresce, superando a inflação, mas nem todos produtores rurais comemoram

O Departamento de Administração e Economia da Universidade Federal de Lavras (DAE/UFLA) em seu trabalho de coleta e divulgação do Índice de Preços Recebidos (IPR), referente a venda dos produtos agrícolas no Sul de Minas Gerais, teve como resultado para o ano de 2015 uma elevação média de 19,20% no ano, destacado os grupos grãos e frutas.

No ano de 2015 o IPR foi positivo na média para os produtores, porém alguns grupos pesquisados apresentaram decréscimo de preço durante o ao agrícola de 2015. Conforme o professor Renato Fontes, DAE/UFLA, coordenador do índice, apesar do aumento médio geral da renda do produtor, pode-se considerar satisfatório mesmo se comparado com a inflação do período, oficialmente de 10,71%, entretanto alguns grupos pesquisados apresentaram resultados anuais não satisfatórios, caso dos produtores específicos de carnes, leite e verduras, em que, o produtor perdeu renda efetivamente, na exploração única destas atividades.

Como exemplo o leite, no mês de janeiro o preço médio do litro estava em R$ 1,20 oscilou durante o ano e em dezembro o preço foi de R$ 1,10. Ressalta o Prof. Renato Fontes, que o mercado das commodities agrícolas, pelas suas características intrínsecas, é extremamente volátil, variam em decorrência do clima, de fatores externos e por causa da renda dos consumidores, sendo que cada produto tem uma dinâmica na sua precificação.

            O café, a principal cultura agrícola explorada no sul de Minas Gerais, apresentou uma elevação anual de preço de 8,23%, demonstrando que o mercado cafeeiro vem demonstrando equilíbrio na sua precificação, mostrando que os anos de alta recente parecem ter encontrado uma forte resistência em encontrar preços melhores do que se vem praticando.

E o grande destaque no ano é a elevação dos preços dos itens pesquisados no grupo dos grãos, milho, feijão e arroz, em media o grupo elevou em 131%. O arroz teve seu preço majorado em 288%, o feijão em 242% e o milho em 47%. Este aumento ocorreu principalmente, por preços não compensadores em safra passadas, que desestimulou os produtores a manterem e aumentarem a área plantada destas culturas e condições climáticas desfavoráveis nas principais regiões produtoras afetaram prejudicialmente a oferta destes produtos, o que reflete economicamente em elevação dos preços e por conseguinte, na melhoria da renda de quem produz unicamente estas commodities, favorecendo investimentos futuros nestas atividades, explica o prof. Renato Fontes.

Vem aí o EM Público!

 



O Encontro Mineiro do Campo de Públicas é um evento acadêmico voltado a graduandos dos cursos de Administração Pública, Gestão Pública e Ciências do Estado. De forma pioneira, os cursos do Campo de Públicas das instituições de ensino superior de Minas Gerais resolveram se unir para realizar o I Encontro Mineiro dos Estudantes do Campo de Públicas - I EM PÚBLICO. A sua primeira edição acontecerá no período de 22 a 24 de maio de 2015, na Universidade Federal de Lavras/MG.

A responsabilidade da organização do encontro é dos alunos de Administração Pública da Escola de Governo da Fundação João Pinheiro (FJP), alunos de Administração Pública da Universidade Federal de Lavras (UFLA), alunos de Gestão Pública e de Ciências do Estado da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). A Programação Científica e Acadêmica é composta por Palestras, Workshops e Mesas Redondas, garantindo um crescimento intelectual e aprendizado sobre a realidade do nosso país.

Esses eventos são de extrema importância para que cada vez os futuros gestores públicos troquem ideias, opiniões e experiências a cerca do que querem para o futuro profissional. Assim, o Campo de Públicas Mineiro tende a ganhar cada vez mais força e se tornar referência na produção de conhecimento voltado para a área.

 


Universidade Federal de Lavras • Departamento de Administração e Economia

DAE / UFLA • Caixa Postal 3037 • CEP 37200-000 • Lavras MG

Telefone: (35) 3829-1441 • O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Desenvolvido pelaPolaris